Início » 7 passos para fazer seu mestrado na Europa

7 passos para fazer seu mestrado na Europa

por Natália Santiago

Esse é um dos assuntos que mais me perguntaram desde que me mudei pra Alemanha. Como fazer mestrado na Europa ? Então resolvi resumir nesse post tudo o que você precisa saber sobre como vir fazer seu mestrado na Europa. Um passo a passo bem claro e objetivo, sem muita enrolação. Claro, que você precisa ter o interesse de morar um período, de um a dois anos pros lados de cá! O período é bem maior do que um intercâmbio, claro! Além da necessidade maior de um planejamento financeiro, mas isso também vou explicar!

1.Pesquisar as opções de mestrados

Primeiro passo é começar ver quais são os mestrados oferecidos na sua área de formação. É preciso saber se voce quer continuar nessa área ou se tem interesse em outra área. Tem alguns mestrados que nāo pedem diploma de bacharel exatamente na mesma área. Por exemplo, eu com meu diploma de engenharia química poderia aplicar pra um mestrado em international business.

A minha dica é entrar nos sites que eu vou listar aqui embaixo, e sair fuçando tudo!! Realmente tudo, coloca todos os filtros, informações que você acha relevante e mãos à obra! Desses sites que vão sair os mestrados que você vai aplicar.

As opções que você for gostando, vai listando em um arquivo de word ou excel. Não esquece de copiar os links! Essa é uma parte importante, por que é muito fácil depois não conseguir achar de novo o mesmo curso. Eu sugiro excel por que dá pra filtrar, pintar de cores diferentes, e te ajudar na organização. Importante anotar o DEADLINE (o mais importante, perdeu o prazo, não há o que fazer) de cada curso. Se quiserem, posso mandar o meu modelo de planilha que me ajudou a organizar, manda aqui nos comentários.

2. Documentos necessários

Já está com a lista dos mestrados que te interessaram ? Agora é a hora de preencher a lista de documentos necessários. Muitos documentos são repetidos em muitos dos mestrados, então a dica é juntar numa lista só pra não ter retrabalho. Alguns que são  básicos vou colocar aqui pra já te adiantar:

  • Histórico escolar traduzido por tradutor juramentado para a língua que será o mestrado/país (aqui vai depender do curso, por isso é importante ler direitinho, às vezes podem pedir até em duas línguas)
  • Diploma também traduzido por tradutor juramentado
  • Prova de proficiência na língua que será o mestrado (próximo passo)
  • Carta de motivação – por que você está interessado nesse mestrado, qual é a sua história até aqui, conte um pouco sobre você, sobre como esse mestrado irá agregar na sua carreira, e manda brasa! Muito importante escrever uma carta em linguagem formal!
  • Carta de recomendação de professores ou ex-chefes (não recebi nenhuma objeção nessa parte, normalmente os professores adoram quando seus alunos estão interessados em estudar fora, e fazem com a maior boa vontade!)
  • Cópia do passaporte (isso é fácil né ? já verifica a data de validade pra não dar bobeira)

3. Prova de proficiência

Salvo Portugal, todos os outros países pedem prova de proficiência se você fez sua graduação no Brasil. Seja prova de proficiência  em inglês, alemão, espanhol, sempre será requisito! Então, é preciso pesquisar quais são as provas aceitas, e qual o processo para fazê-las no Brasil. Normalmente são os grandes cursos de línguas que aplicam os testes.

Vou falar do IELTS e do TOEFL que são os testes que eu já fiz. Eles têm várias datas disponíveis e não precisa de tanta antecedência. Acredito que 1 mês seja suficiente, mas assim que já souber em qual lingua que irá estudar, já procura para não perder o prazo! Falo aqui sempre uma estimativa de tempo. Também tem vários cursos para se preparar exatamente para essas provas, e vou falar um pouco sobre essas duas em outro post.

A nota mínima costuma variar entre as universidades, e também o IELTS vai de 0 a 9, e o TOEFL de 0-120. São formas diferentes de analisar, e todas incluem as quatro competências: redação, compreensão de texto, compreensão de áudio e conversação.

Mas já fica aqui a importância de uma segunda língua, se ainda não tem, tem a opção de Portugal. Porém se tem tempo, já começa a aprender uma outra lingua pra ontem! Nunca é demais aprender novas línguas, isso só vai te abrir os horizontes de oportunidades.

4. Guardar dinheiro

Em qualquer situação eu já sugiro começar a guardar dinheiro. Não é um processo barato, nem uma experiência que a gente decide de uma dia pro outro. É um investimento na sua carreira, e por isso tem que ser bem pensado e planejado. Tem muitas opções de bolsas de estudo integral ou parcial, porém o processo também requer gastos. Seja com tradução, retirada de certificados, correios, etc. Não deixei de fazer por isso, corra atras, que é possível, mas saiba economizar.

Vou dar o exemplo do meu caso, eu tentei vir em 2016, porém não tive dinheiro suficiente. Aguardei, juntei, e em 2019 consegui vir. Demorou? O suficiente que deveria demorar, e cá estou, orgulhosa de ter realizado o meu sonho.

5. Apostilamento

Item muito importante, o diploma e o histórico escolar precisam estar apostilados! Isso quer dizer que as assinaturas nos documentos são reconhecidas em cartório, e estão válidas para as faculdades aceitarem o documento. Isso deve ser feito ANTES da tradução (próximo item). Só ir no cartório e pedir o apostilamento do documento, na minha época estava uns 95 por documento, não é por página que tem reconhecimento de firma.

Se você não fizer o apostilamento antes da tradução terá que apostilar tanto a original, quanto a tradução!

Outro detalhe importante, quando fui apostilar meus documentos eles não aceitaram porque primeiro tem q reconhecer firma de quem assinou. Isso mesmo, quem assinou seu diploma e seu histórico. Algumas faculdades já entregam com o reconhecimento feito, porém o meu não estava. Fui atrás de cartório onde o reitor e os responsáveis por assinar os documentos na UERJ tinham firma. Um trabalho de última hora que podia ter sido evitado. Dica, sempre reconheça firma desses documentos de instituições de ensino.

Mais informações sobre apostilamento

6. Traduções juramentadas (ou públicas)

São traduções feitas pro tradutores habilitados em línguas estrangeiras e português que estão matriculados na junta comercial do seu estado. Essas traduções são, enfim, reconhecidas pelas universidades aqui na Europa. Elas não são baratas, são cobradas por lauda e variam conforme o estado. Cada estado estabelece um certo número de linhas, caracteres incluindo espaços, ou caracteres sem incluir espaços para compor uma lauda. Os valores são tabelados e os tradutores não podem conceder descontos. Porém pela minha experiência, eu encontrei valores diferentes para o mesmo documento em alguns tradutores. O que eu sugiro é fazer uma pré-cotação em alguns desses sites. Você faz o upload do arquivo e eles entram em contato com o valor. Algo que também muda é o prazo para qual você precisa o documento. Quanto menor o prazo, maior o preço, é claro.

Procure algum tradutor próximo à sua casa, envie o documento digitalmente, receba a cotação, confirme com o qual preferir e pronto! Só aguardar o documento traduzido. Sugiro sempre fazer copia autenticada e sempre scanear assim que receber os documentos. Quando você envia o documento digitalmente, eles pedem para que você leve o original quando for pegar a tradução para eles compararem e darem o último check.

7. Carta de recomendação

Agora é correr atrás de cartas de recomendações de professores ou chefes no trabalho. Isso vai depender de como é o mestrado que você vai se aplicar. Em alguns casos carta de recomendação de professor é melhor do que de profissionais, então sugiro analisar o estilo da faculdade e aí sim enviar. Sugiro também pedir pro máximo de pessoas que puder, por que o “sim” não é garantido, então é bom ter mais opções. Eu gosto de pedir pra quem for fazer a carta, incluir o nome do curso e da faculdade que eu estou me inscrevendo. Às vezes dá um pouco mais de trabalho, mas acho um diferencial.

8. Carta de motivação

Essa aqui depende 100% de você. O quanto você quer esse mestrado ? O quanto você se acha preparado para uma das vagas? Expresse sua clara vontade de participar do mestrado. Faça uma recapitulação da sua trajetória, enfatizando os pontos que sejam mais próximos ao objetivo do mestrado. Peça para amigos corrigirem o texto ou até algum professor, é muito importante não cometer erros na língua escrita. Também é possível encontrar alguns modelos na internet, mas não se esqueça de ser autêntico, no final, tem que ter a sua marca.

7.Verificar os deadlines e se inscrever

Com todos os documentos em mãos, é hora de começar a se inscrever, e falo mais uma vez: não perder o prazo. Tenha todos os prazos com seus devidos sites de inscrição sempre à mão. Tenha todos os documentos organizados numa pasta virtual (eu mantive num HD externo e no meu pc) para fácil consulta. É um processo longo, lento mas vale MUITO a pena!

Bem, espero ter ajudado com essas dicas, e qualquer dúvida, só perguntar aqui embaixo nos comentários que eu respondo =)

Foto da capa por Priscilla Du Preez on Unsplash.

You may also like

Deixe seu comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More